sexta-feira, 30 de abril de 2010

a hora do 'mea-culpa';

Ok, Ok.
Sumi pra sempre, eu sei. Mas tô aqui. Aee :D
Sério. Entre idas e vindas, casos e acasos, cobras e lagartos e todos os nomes de novela da GROBO, eu sobrevivi. Vim, vi e bebi, como diria meu caro Júlio César.

Quando chega a hora do 'mea-culpa' no relacionamento

Digamos que esta seria a hora de pedir desculpa por tudo. O que fizemos AND o que NÃO fizemos. Aquela famosa demagogia fazendo a linha 'sei que errei, mas direi apenas uma palavra e serei salvo'. A clássica: 'eu tenho culpa, mas é tarde demais e acho que com o tempo, poderemos ser amigos'.
A pinóóóia, que isso existe! Tá. Existe. Mas que isso é real? Não, meu bem, é se sentir parte da sociedade, na realidade.
Eu sei, Nadya, eu sei. Quem nunca deu uma de vitimazinha e talz no final da relação que atire a primeira pedra. Mas acontece que... pff. Vocês já pararam pra pensar se REALMENTE é preciso tudo isso?
Você tá com uma PUTA raiva dentro de você. Destruindo as paredes da boca com mordidas de nervo, ódio e sentimentos ruins. Porque isso, então?
Meu último fim de relacionamento (foram taaantos!) foi tão bizarro. Mas foi tão honesto.
O fato é que deixamos bem claro que isso já tinha dado o que tinha que dar, que ambos estavamos muito machucados e que cada um no seu canto, sem demagogia, desejando que ódio-consuma-o-outro-e-o-afogue-no-sofrimento-vingando-o-passado se faça presente há 1000 km de distância. Dois imbecis na rua, gritando feito muleques favelados e extravasando toda a ira. BONITO (ainda bem que não foi no meu bairro!).
Sabe o que aconteceu? Hoje somos amigos. Conversamos na boa, rimos do nosso passado tragicômico e puff.. Somos honestos um com o outro.
Jáááá o meu PENULTIMO fim de relacionamento terminou com a clássica linha Janet Clair: 'Olha, eu sinto muito pelos erros que tive, espero que você sinta muito pelos teus. Éééé... não dá mais mesmo.. Mas DO FUNDO DO MEU CORAÇÃO, espero que você seja muuuito feliz, encooontre uma pessoa especiaaaal, que faaaaça você feliz do modo que eeeeeu não consegui. Me desculpa meeeeesmo por qualquer coisa. Se cuida.'
Sabe o que aconteceu? Toda vez que somo OBRIGADOS a nos encontrar no meio da rua (quando já está em cima e num dá mais pra atravessar e virar o rosto), nos cumprimentamos balançando-a-cabeça-feito-um-SIM e continuamos nosso percurso. ACABA AÍ? NEM FODENDO. Na minha cabeça (e na dele, CERTEZA) passa um monte de coisas do tipo: 'desgraçado, não tem a manha de me cumprimentar feito homem... depois de tudo o que eu fiz pra esse infeliz. deve ter arrumado uma sonsa por aí e deve ta adorando as asinhas de fora que ela deve deixar pra ele botar um monte de cifre naquela cabeça ôca de gente imbecil feito ela (que deve ser, APOSTO!). rãn.. sou boa demais pra ele. tz.'

Pois é. As vezes o ódio faz parte do fim do relacionamento.
E as vezes o mea-culpa só sirva com os nossos pais mesmo. Esses seres que foram biologicamente programados para nos amar PARA SEMPRE. O verdadeiro PARA SEMPRE!

--------------------------------------------------------------------
To bem. Girando meu colar de pérolas ADOIDADA!
Beejos.
Take Care. ;*

1 comentários:

Thiago César Lima disse...

ola mocinha!
não pare de escrever!!
vim aki te convidar para mimear comigo!
da uma olhadinha la http://odontocausos.blogspot.com/2010/06/meme.html

1 de junho de 2010 19:57

Postar um comentário

./comenta/comenta/comenta/.